quinta-feira, 13 de outubro de 2016

RESENHA| Renato Russo - O Filho da Revolução, de Carlos Marcelo

outubro 13, 2016
Renato Russo – O Filho da Revolução
Carlos Marcelo
Páginas: 464
Ano: 2016
Editora: Planeta
Idioma: Português
Obra cedida em parceria com a Editora Planeta

A mais completa biografia do vocalista da Legião Urbana ganha edição revista, atualizada e ampliada pelo autor. Escrita a partir de mais de cem entrevistas e de pesquisas realizadas ao longo de nove anos, Renato Russo – o filho da revolução narra, de forma fluente e minuciosa, a transformação do adolescente Renato Manfredini Junior no maior ídolo do rock brasileiro. A vivência intensa em Brasília sob a ditadura militar nos anos 1970 é reconstituída em detalhes neste best-seller lançado em 2009, presença constante na lista dos mais vendidos de não ficção daquele ano. Manuscritos com os planos ambiciosos do iniciante Renato e os rascunhos de sucessos como Tempo perdido e Eduardo & Monica também são reproduzidos com exclusividade, bem como as letras vetadas pela Censura Federal. Além dos depoimentos de integrantes da Legião, Capital Inicial, Plebe Rude, Paralamas e de outras bandas da era de ouro do rock nacional, a nova edição inclui capítulo inédito elaborado a partir de entrevistas com amigos e colegas, como Marisa Monte, que trabalharam e conviveram com Renato Russo no período final de sua vida, encerrada prematuramente aos 36 anos, em 11 de outubro de 1996. Lembranças e histórias do maior ídolo de sua geração e que, com a sua poética incisiva e lírica, continua a fascinar – e a emocionar – jovens de todas as idades.

Tire suas mãos de mim
Que eu não pertenço a você
Não é me dominando assim
Que você vai me entender
Eu posso estar sozinho
Mas eu sei muito bem onde estou
Você pode até duvidar
Acho que isso não é amor
Será

Foi simplesmente impossível não me emocionar ao ler essa biografia. Cresci ouvindo Renato Russo, passando horas decorando suas letras no momento do intervalo das aulas, cantar com minhas amigas. Tinha até campeonato para ver quem conseguia cantar sem errar a música Faroeste Caboclo. Quantos momentos não passei em frente à Banca de Revista escolhendo livretinhos com as músicas do Legião Urbana, olhando os pôsteres e desejando uma fita cassete para me deliciar com as letras dessa grande banda.
Quem um dia irá dizer
Que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração?
E quem irá dizer
Que não existe razão?
Eduardo e Mônica

Não sabia da existência dessa obra e quando vi meu coração parou uma batida. Era a grande oportunidade de mais uma vez preencher a lacuna que Renato Russo deixou como ídolo e ao término da leitura bateu aquela saudade, aquela vontade de ouvir mais uma vez a voz tão característica e marcante do melhor cantor nacional de rock que o Brasil já teve.
Agimos certo sem querer
Foi só o tempo que errou
Vai ser difícil sem você
Porque você está comigo o tempo todo
E quando vejo o mar
Existe algo que diz
Que a vida continua e se entregar é uma bobagem
Vento no Litoral

Realmente é um trabalho muito bem feito. O autor Carlos Marcelo não apenas despejou informações ou imagens a esmo. Toda a história do integrante e compositor mais inteligente da história é fundamentada e contextualizada com o momento que o país passava na época, nos cimentando com as opiniões, fatos e comportamentos de uma sociedade no qual Renato estava inserido e tão duramente criticava com palavras e versos que embalaram gerações e extasiava multidões. Ele era realmente um gênio, embora nunca tivesse se considerado um.
Sempre precisei de um pouco de atenção
Acho que não sei quem sou
Só sei do que não gosto
E destes dias tão estranhos
Fica a poeira se escondendo pelos cantos
O Teatro dos Vampiros

Recomendo demais esse livro. É uma leitura obrigatória, uma verdadeira imersão desde o nascimento do cantor ao nascimento do cantor, da banda, sua vida pessoal e profissional. Uma história completa e tão cheia de precisão que o leitor se sente realizando toda a trajetória que levou Renato Manfredini Junior, o nosso amado Renato Russo a se tornar um fenômeno - o filho da revolução.
O que foi escondido
É o que se escondeu
E o que foi prometido
Ninguém prometeu
Nem foi tempo perdido
Tempo Perdido

Um trabalho honesto, feito com uma investigação minuciosa, onde amigos e colegas contribuíram reportando momentos inesquecíveis, como a banda Aborto Elétrico, que tinha Renato como guitarrista e vocalista ao início da Legião Urbana.
Mas nada vai conseguir mudar
O que ficou
Quando penso em alguém, só penso em você
E aí então estamos bem
Por Enquanto

Gostei de tudo desse livro, a capa, fonte, diagramação, as imagens e claro algumas letras de músicas que marcaram época.
É tão estranho
Os bons morrem jovens
Assim parece ser
Quando me lembro de você
Que acabou indo embora
Cedo demais
Love In The Afternoon


sábado, 13 de agosto de 2016

RESENHA | A garota perfeita, de Mary Kubica

agosto 13, 2016
A garota perfeita, de Mary Kubica
Publicada pela Editora Planeta, 336 páginas
4,5 nota
Obra cedida em parceria com a Editora Planeta
Mia, uma professora de arte de 25 anos, é filha do proeminente juiz James Dennett de Chicago. Quando ela resolve passar a noite com o desconhecido Colin Thatcher, após levar mais um bolo do seu namorado, uma sucessão de fatos transformam completamente sua vida.
Colin, o homem que conhece num bar, a sequestra e a confina numa isolada cabana, em meio a uma gelada fazenda em Minnesota. Mas, curiosamente, não manda nenhum pedido de resgate à familia da garota. O obstinado detetive Gabe Hoffman é convocado para tocar as investigações sobre o paradeiro de Mia. Encontrá-la vira a sua obsessão e ele não mede esforços para isso.
Quando a encontra, porém, a professora esté em choque e não consegue se lembrar de nada, nem como foi parar no seu gélido cativeiro, nem porque foi sequestrada ou mesmo quem foi o mandante. Conseguirá ela recobrar a memória e denunciar o verdadeiro vilão desta história?

Nesse thriller psicológico, somos apresentados a Mia Dennett, uma garota de 25 anos, que tem uma família rica e que, aos 18 anos resolve ir morar sozinha. Filha do juiz de Chicago, James Dennett e Eve Dennett, ela vive num relacionamento conturbado e marca um encontro com o namorado, mas ele não aparece pelo motivo de sempre: Trabalho. Como seu namorado não apareceu, um homem a aborta e depois de algumas conversas e goles de bebidas, ele convida ela para o seu apartamento, e ela aceita.

Este rapaz se chama Colin Thatcher e após perseguir Mia e encontrá-la no bar, resolve colocar o seu plano em ação. O que Mia não imaginava, era que ele seria o seu sequestrador, e não apenas um paquera. Contratado para sequestrá-la, Colin leva ela para o seu apartamento, mas acaba desistindo de entregá-la ao mandante e resolve levá-la para uma cabana abandonada.

Eve recebe uma ligação de uma pessoa que diz que Mia fazia uns dias que não ia ao trabalho. Sua mãe fica desconfiada pelo fato de sua filha faltar o trabalho já que sempre foi responsável e nunca ouviu reclamações. Ela resolve ligar para as pessoas que são colegas da Mia, mas ninguém a viu. Ela começa a ficar preocupada e sem saber o que fazer, até porque a Mia não era próxima da família e nem vice-versa. Com medo de algo ter acontecido com a sua filha e por sentir um pressentimento, Gabe Hoffman é contratado para cuidar desse caso e saber o que realmente aconteceu com a Mia.

O livro vai girando em torno disso. O desaparecimento de Mia, a investigação do Gabe, Colin mantendo Mia como prisioneira, a forma como a família reage ao sumiço de Mia e toda a situação psicológica que gera ao redor das pessoas que são afetadas.

"A garota perfeita" é o tipo de livro que menos coisa que a pessoa souber, melhor. Por isso, não me prolonguei muito nos detalhes e também não falei muito da história. Então, vai uma dica de amiga: Não leia resenhas que falem demais da história e dos personagens, evite ler a sinopse e não peça spoiler as pessoas que já leram (risos). No meu ponto de vista, essa leitura só valerá a pena se você não souber quase nada sobre o livro.

O grande trunfo da obra não é o sequestro de Mia e nem a volta dela, e sim, a questão psicológica, o que acontece com os personagens ao decorrer da história. A autora cria situações, que podem ser interpretadas de várias formas. Cada leitor pode ler uma parte, pensar que está sabendo de tudo, sendo que não está sabendo de nada. Pensamos que estamos no controle da leitura, mas na verdade não estamos. Mary criou uma história que mesmo ao terminar a leitura, você fica completamente sem saber o que achar.

 Os capítulos são intercalados no antes e no depois. Confesso que no início, pelo menos nos 3 primeiros capítulos, eu fiquei bem confusa. Mas depois, tudo foi se encaixando. Os personagens foram bem construídos. Todos os personagens têm suas características, segredos e mistérios. São personagens que escondem coisas, que o próprio leitor terá que desvendar. O interessante é que cada leitor pode pensar de uma forma diferente. O que você pode pensar que é, na verdade eu posso não pensar da mesma forma. Eu diria que este livro não tem um ponto fixo, ele pode ser qualquer coisa que o leitor queira que ele seja. O vilão pode ser bom, o bom pode ser mal e por aí vai.

 "A garota perfeita" tem uma temática incrivelmente interessante e bem construída. O final é bem desenvolvido e principalmente o epílogo surpreenderá a todos que lerem. Por isso, não espie a última página pela amor de Deus. Um dos maiores trunfos está lá!

Claro, o livro não é só maravilhas e flores. Tem detalhes que não me agradaram tanto ou não me cativaram. Um dos fatores foi que a autora poderia ter colocado mais detalhes, ter mostrado mais. Algumas coisas não foram esclarecidas durante a leitura, pelo menos no meu ponto de vista. Realmente é uma leitura que podemos pensar várias coisas e de várias maneiras. Digo que seja uma leitura conturbada, que perturba a nossa mente e ficamos sem saber o que pensar. Pelo menos eu me senti assim até mesmo depois que eu li o livro e já tinha passado uma semana. Foi uma história que ficou na minha mente e que com certeza não vai saí tão certo dela.

Recomendo bastante à leitura. A Editora Planeta também está de parabéns. A capa, a revisão, a diagramação estão bem feitas. Com certeza a obra "A garota perfeita" é um livro que quem ler irá devorar rapidamente e não irá sossegar até ler o último parágrafo do livro. Para quem gosta de uma leitura forte, tensa, com temas como abuso, relacionamento, família, questões psicológicas e um suspense de tirar o fôlego, será uma leitura surpreendente.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

RESENHA| Alucinadamente Feliz: Um livro engraçado sobre coisas horríveis, de Jenny Lawson

agosto 08, 2016
Alucinadamente Feliz: Um livro engraçado sobre coisas horríveis
Jenny Lawson
Páginas: 352
Ano: 2016
Editora: Intrínseca
Idioma: Português
Obra cedida em parceria com a Editora Intrínseca


Jenny Lawson está longe de ser uma pessoa comum. Ela mesma se considera colecionadora de transtornos mentais, já que é uma depressiva altamente funcional com transtorno de ansiedade grave, depressão clínica moderada, distúrbio de automutilação brando, transtorno de personalidade esquiva e um ocasional transtorno de despersonalização, além de tricotilomania (que é a compulsão de arrancar os cabelos). Por essa perspectiva, sua vida pode parecer um fardo insustentável. Mas não é.Após receber a notícia da morte prematura de mais um amigo, Jenny decide não se deixar levar pela depressão e revidar com intensidade, lutando para ser alucinadamente feliz. Mesmo ciente de que às vezes pode acabar uma semana inteira sem energia para levantar da cama, ela resolve que criará para si o maior número possível de experiências hilárias e ridículas a fim de encontrar o caminho de volta à sanidade.É por meio das situações mais inusitadas que a autora consegue encarar seus transtornos de forma direta e franca, levando o leitor a refletir sobre como a sociedade lida com os distúrbios mentais e aqueles que sofrem deles, sem nunca perder o senso de humor. Jenny parte do princípio de que ninguém deveria ter vergonha de assumir uma crise de ansiedade, ninguém deveria menosprezar o sofrimento alheio por ele ser psicológico, e não físico. Ao contrário, é justamente por abraçar esse lado mais sombrio da vida que se torna possível experimentar, com igual intensidade, não só a dor, mas a alegria.O livro atrairá todo tipo de leitor por suas situações hilárias, mas tem um apelo especial para quem precisa conviver com transtornos mentais, quer como paciente, quer como parente ou amigo.

Em Alucinadamente Feliz a autora Jenny Lawson explora sua batalha ao longo da vida com seus males da mente. Um livro excêntrico e muito perturbador sobre a depressão e ansiedade que vêm incapacitando e prejudicando diversas pessoas sem distinção de raça, sexo, cor ou idade.


Assim, Jenny Lawson aborda de maneira muitas vezes hilariante, o que a maioria das pessoas acha complicado conversar ou até mesmo assumir que são possuidoras de tais comportamentos depressivos. Muitos pelo medo do desconhecido ou mesmo por achar futilidade, sofrem calados e transformam a própria vida num ciclo eterno de tratamentos paliativos, comportamentos dissimulantes e vestem a capa da indiferença quando por dentro a doença corrói sua energia e as leva a inutilização social e pessoal.


Nesse livro maravilhoso, o leitor dá boas risadas, mas também se emociona profundamente e se indaga o que pode ser feito para melhorar o nível de vida dessas pessoas que lutam dia após dia para serem produtivos e compreendidos.

Quando compartilhamos nossas batalhas, outras pessoas reconhecem que podem compartilhar as suas. E, de repente, percebemos que as coisas que nos envergonham são as mesmas que todo mundo enfrenta uma hora ou outra. Estamos muito menos sós do que pensamos.

Suas questões diretas sobre sua doença mental, suas ocorrências constantes de depressão, ataques de ansiedade, o medo de enfrentar o convívio com as pessoas, seja viajando ou apenas colocando a cabeça para o lado de fora de sua casa e suas táticas de sobrevivência são tão complexos e verdadeiros que remexem com as emoções do leitor.


Todos nós temos a nossa cota de tragédia, insanidade ou drama, o que faz toda diferença é o que fazemos com esse horror.

É realmente um livro incomum, uma perfeita harmonização onde a comicidade incoerente e fatos tocantes nos levam a uma mudança de como enxergaremos daqui pra frente, essa “epidemia” que está inutilizando nossa sociedade. Acho que qualquer pessoa que tenha sofrido ou ainda sofra de uma ou mais doenças tão estigmatizadas pela sociedade (sofro de transtorno de ansiedade) vão se reconhecer nessa obra.

Não se sabote. Muitas pessoas já estão dispostas a fazer isso de graça.

Quanto a essa capa intrigante, esse guaxinim com cara de tresloucado realmente existe moçada. Ele pertence à autora e está empalhado. Achei diferente e muito engraçado. A diagramação e fonte são impecáveis e as folhas em papel pólen tornam a leitura mais cômoda. Livro mais do que recomendado!

Espero um dia melhorar, e tenho certeza de que vou conseguir. Espero um dia viver num mundo em que a luta particular pela estabilidade mental seja vista com orgulho e torcida pública em vez de vergonha. E também espero isso por você.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

PROJETO ÂNGULO CRIATIVO| Livros Azuis

agosto 05, 2016


Olá, meus amores! Como estão? Trago para vocês mais um tema do projeto fotográfico chamado "Ângulo Criativo" na qual eu criei e outras blogueiras também participam. O tema dessa vez é: Azul! Esta cor linda e maravilhosa, que não tem como não amar! Lembrando, que este projeto é literário e para conferir o primeiro post do projeto, é só clicar aqui. Para conferir os meus livros escolhidos, continue lendo!



Este é o terceiro volume da série Fazendo meu filme, "O roteiro inesperado de Fani", escrito pela Paula Pimenta. Ainda não li este livro, já li o primeiro e o segundo e é uma leitura bem leve, divertida e fofa. Para quem está querendo uma leitura leve depois de ler um livro tenso, é uma ótima recomendação.


Outro livro azul que eu irei citar é a obra "Surpreendente" do autor, Maurício Gomyde. Gente do céu, este livro é simplesmente incrível. Ainda irei fazer resenha dele por aqui quando eu reler novamente, mas já posso dizer que é um livro que faz a gente chorar, rir e sorrir inúmeras vezes. Sem comentários. Muito amor mesmo e super recomendo a todos.


Outro livro que irei citar é "Delírio", da Lauren Oliver. Não sei do que se trata o livro e nem nada (risos). Mas, quando eu vi esta capa, este efeito que não sei qual é que ele tem, eu simplesmente entrei no delírio kkkk. Claro, estou bem curiosa para ler e espero gostar da leitura. Quem já leu, me diga o que achou!


"Jardim de inverno" é aquele livro memorável, lindo e emocionante. Aquela leitura que faz tempo que você leu, mas permanece aquela essência, aquela coisa no seu peito. Recomendo muito a leitura desse livro. Além dessa capa ser simplesmente incrível, a história é cativante. Muito bom mesmo!


O penúltimo livro que irei citar é "Extraordinário". Acredito que uma grande maioria das pessoas já tenham lido este livro, mas para quem ainda não leu, leia urgentemente. É um livro muito lindo, tocante, emocionante e reflexivo. Mesmo sendo uma leitura leve, nos faz refletir inúmeras vezes. E para quem não sabe, este livro irá virar uma adaptação! Primeira vez que fico feliz por isso acontecer hahaha. Mas enfim, é muito bom e super recomendo a todos!


E por último e não menos importante, é o meu xodó "Toda luz que não podemos ver", do autor Anthony Doerr. Sério, gente. É muito amor mesmo por este livro. Não sei se vocês sabem, mas eu sou a louca de livros com o tema de Segunda Guerra Mundial. Então, quando eu li este livro, foi amor a primeira vista. Já tem resenha aqui no blog e também uma semana especial na qual eu passei uma semana falando sobre ele hahaha. Para conferir, clique aqui.

Blogs participantes

E é isso, meus amores. Espero que tenham gostado do projeto e das fotos. Não deixem de comentar sobre o que acharam.
Beijos e até a próxima!

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

CULINÁRIA | Torta salgada no liquidificador

agosto 03, 2016

Estou tendo um pequeno infartoooooooooooooooooooooooooooo! Oi, gente! Como estão? Espero que estejam bem. Estou muito e muito feliz por está postando a primeira postagem do tópico de Culinária! Depois de apanhar, sofrer e chorar horrores por não conseguir tirar fotos boas e etc, finalmente vim trazer para vocês a receitinha de uma torta salgada super fácil de fazer e simplesmente deliciosa. Para conferir, continue lendo!


Para fazer a massa, você vai precisar de: 1 copo cheio de farinha de trigo | 1 copo cheio de leite | 1 xícara de óleo | 1 colher de fermento em pó | 3 ovos | 1 pitada de sal

Coloque todos os ingredientes para fazer a massa no liquidificador menos o fermento em pó e deixe por mais ou menos 1 minuto. Depois, coloque o fermento em pó e deixe mais ou menos uns 30 segundos. Não deixe muito tempo para que não fique muito liquido. Apenas que fique homogênea e bem misturada!
A medida dessa forma é de: 30 de largura, 18 de altura e 6 de profundidade. A quantidade de massa que eu fiz deu certinho nesse forma.
Depois disso, você vai pegar uma forma de vidro ou qualquer uma que você tenha, irá untar com farinha de trigo e colocar uma camada da massa que está no liquidificador. Não coloque toda a massa, apenas a metade.

Depois de você colocar a metade da massa na forma, vem a parte do recheio. Isso é muito em relação a gosto, então você não precisa colocar os mesmos recheios que eu coloquei. Na minha torta eu coloquei: 1 xícara de tomate com cebola | 1 xícara com queijo picado | 1 xícara com peito de frango picado | 1 lata de milho (sim, eu amo milho hahaha) | 1 xícara com mortadela picadinha. Lembrando que o recheio fica ao gosto de cada um. Pode colocar bacon, carne, outros tipos de verduras ou legumes, ervilha, peru... Enfim!

Depois de colocar o recheio, coloque o resto da massa e se quiser, coloque orégano. Coloque no forno pré-aquecido 200°C e espere 40 minutos. Depois, é só esperar ficar morno ou frio e comer. Se for morta de fome como eu, coma quente mesmo! (risos)

E é isso, meus amores! Espero que tenham gostado desse tipo de postagem, uma postagem de um assunto diferente do que eu costumo fazer, e não deixe de comentar sobre o que achou da receitinha, se é fácil, tá bem explicado, mal explicado, se as fotos estão feias ou bonitas...Enfim! Deem a opinião de vocês (mas com amor, viu?). Também, fiquem a vontade para dar sugestões de outra receitinha que vocês queiram que eu faça.
Beijos e até a próxima.

FOLLOW @ INSTAGRAM

Arquivo do Blog

Visualizações